Os meus olhos secos

Image

Quem não está sofrendo horrores com esse calor que está fazendo levante a mão. Ou melhor, pisque os olhos se tiver alguma lubrificação! Piada bem infame, mas que retrata exatamente como a gente se sente nesse clima quente e seco. 

Meus olhos alcançaram um nível extraordinário de secura. Simples assim. Eles nem ficam tão vermelhos quanto o esperado, mas sinto como se estivesse com um cisco no olho o tempo todo, e nada me tira da cabeça que tem mesmo alguma coisa lá dentro. 

Já testei todo tipo de colírio, e percebi agora que o que nada vai resolver o problema de verdade, mas podemos lubrificar o tempo todo. Faço isso com o Hyabak 0.15%, que é um colírio sem conservantes e posso passar quantas vezes sentir necessidade. A primeira vez que ouvi falar desse tipo de colírio, foi em uma das conversas que sempre tenho com a Neri Pereira, que ela me contou que eu poderia usar a qualquer hora. Mas eu fui atrás da minha oftalmologista para saber se eu poderia mesmo usar. “Claro!” ela disse, e eu comecei a usar imediatamente. O melhor desses colírios sem conservantes é que eles não perdem a validade. Os outros, por mais benefícios que trazem para nossos olhos, perdem a validade após 4 semanas depois de abertos. E não sei vocês, mas eu nunca consegui terminar um frasco sequer.

E você, usa qual colírio?

Eu voltei, voltei para ficar…

Começo de ano é sempre muito corrido. A gente pára para desansar um pouco e quando começa o ano percebe que as coisas se acumularam tanto, e que perdeu o controle das coisas.
Alguém mais se sente assim?

Bom, acontece comigo todo santo ano e sempre me “enforco”. Não foi diferente com esse blog que comecei com tanta empolgação e carinho. Me deu uma certa resistência de voltar a escrever porque no final do ano passado me deparei com diversas crises as quais não estava acostumada (se é que iremos nos acostumar com essas crises aleatórias), e deixei tudo de lado. Fui viajar no Natal e quando voltei mergulhei no trabalho para não lembrar desses problemas que a Síndrome trás.

Volto agora mais revigorada. Não 100%, mas com a certeza de que preciso continuar escrevendo porque me faz bem, e gosto de acreditar, faz bem à todos que lêem e se identificam.